1 de fevereiro de 2018

IMG_20170627_135646A Associação AMA Pangeia – Amigos do Meio Ambiente, em parceria com o Ministério Público, desenvolverá uma nova etapa do projeto Águas Eternas e, mais uma vez, a concessionária Águas de Pará de Minas se colocou como parceira do programa que tem colaborado com a preservação das águas da região. Desta vez, as ações serão direcionadas para os mananciais que abastecem Pará de Minas.

A nova fase do projeto será voltada para a produção de água no Ribeirão Paciência e no Córrego Paivas. As obras previstas visam o cercamento de matas ciliares, nascentes, topos de morro e o plantio de árvores. Para o vice-presidente da Ama Pangeia, Itamar José Ribeiro, o sucesso do projeto se deve à organização envolvida nas etapas.

“Nós conseguimos, nos últimos tempos, direcionar as ações e apenas trabalhar naquilo que a gente consegue. Este é um trabalho a longo prazo, mas com a ajuda da Águas de Pará de Minas vamos conseguir acelerar um pouco”, disse Itamar.

De acordo com ele, o projeto propõe uma parceria com os produtores rurais que possuem lagoas em suas propriedades

IMG_8619“As instituições envolvidas vão colaborar fornecendo o material e o produtor rural deve providenciar a mão de obra. Os interessados em participar do projeto devem entrar em contato com a AMA Pangeia pelo telefone (37) 99191-4379”, explica.

Segundo o gerente de Operações da concessionária Águas de Pará de Minas, Thiago Santana, este é o terceiro ano que a empresa apoia o Projeto Águas Eternas.

“Nós abraçamos esse projeto, pois vimos que ele apresenta resultados significativos para a preservação da água existente no município. Temos a satisfação de participar de projetos que envolvem o meio ambiente e que trazem benefícios para a população e para os mananciais que abastecem a cidade ”, afirma Thiago.

O projeto Águas Eternas foi criado pela Associação AMA Pangeia – Amigos do Meio Ambiente, em 2010, com o objetivo de contribuir com a produção de água no município. Entre as ações realizadas estão o cercamento de nascentes e o desassoreamento dos mananciais da cidade e de lagoas existentes em propriedades rurais.