Ações ambientais

Conheça as Ações Ambientais que o Grupo Águas do Brasil realiza nos municípios atendidos.

Águas do Imperador realiza, desde 2002, um projeto de Reflorestamento em Petrópolis, no qual já plantou mais de 30 mil mudas de espécies nativas da Mata Atlântica nas regiões do Taquaril, Ponte de Fero, Maria Comprida, Caxambu Grande, Bonfim e Comunidade do Alemão. O projeto, que acontece em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Petrópolis, tem o objetivo de conservar o patrimônio genético e preservar os mananciais da cidade, e com isso garantir água em quantidade e de boa qualidade para a população. Já são cerca de 40 espécies de árvores plantadas: Ipê, Quaresmeira, Jequitibá, Paineira, Guapuruvu, Imbaúba, Tamboril, Amoreiras, entre outras. Algumas delas são especialmente escolhidas por serem resistentes ao fogo, como o Ipê Amarelo, que tem grande capacidade de recuperação e bela floração. Águas do Imperador conta com uma estufa para produção de mudas e sementes na ETE Piabanha, e outra estufa e um viveiro na Estação de Tratamento de Água do Taquaril. Para proteger as seis nascentes existentes no Taquaril, área frequentemente devastada por incêndios, foram feitos 10 km aceiros (capinas feitas na crista das montanhas) e plantadas mais de 10 mil mudas de espécies nativas numa área de 80 mil metros quadrados. Em agosto de 2011, um grande incêndio atingiu a região do Xingu, no Taquaril, e o trabalho preventivo realizado por Águas do Imperador auxiliou na contenção das chamas, impedindo que o fogo atingisse toda a área reflorestada, incluindo o Monumento Natural da Pedra do Elefante.

Em Niterói, a concessionária Águas de Niterói realiza o reflorestamento do Rio Macacu. Em convênio com a Secretaria Estadual de Ambiente, a empresa realiza o projeto de recuperação ambiental da bacia do Rio Macacu, principal fonte do sistema de abastecimento que fornece água para Niterói. O projeto, elaborado pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, inclui o reflorestamento das margens do Rio Macacu. No total já foram plantados 0,5 milhão de mudas.

Águas de Araçoiaba também participa de um projeto em parceria com a secretaria de meio ambiente de Araçoiaba da Serra e Grupo de Escoteiros, o Projeto Mata Ciliar. Em 2011 o projeto realizou o plantio de 1000 mudas.

Águas de Juturnaíba participa de um projeto de monitoramento participativo da qualidade da água do manancial de abastecimento. O projeto Agente das Águas é uma parceria entre as concessionária ProLagos e Águas de Juturnaíba, Consórcio Intermunicipal Lagos São João (CILSJ), Comitê de Bacia Lagos São João e FIOCRUZ.

A concessionária Águas de Nova Friburgo realiza o projeto Viva Rios, um projeto de arborização, paisagismo e revitalização ao longo dos taludes dos rios, utilizados como via para a rede de coletores de esgoto sanitário em Nova Friburgo, de forma a promover avanços na cobertura arbórea urbana e vegetação ciliar. O projeto é uma parceria com a Secretaria de Meio Ambiente e detém autorização ambiental do Instituto Estadual do Ambiente. O Viva Rios revitaliza as margens dos Rios Cônego, Santo Antônio e Bengalas.

Em comemoração ao Dia do Meio Ambiente, a concessionária Águas de Nova Friburgo organiza uma corrida que tem como objetivo estimular o esporte, atrair os corredores profissionais para a cidade, e principalmente, chamar a atenção da população para os cuidados permanentes com a saúde, o bem-estar e a preservação do meio ambiente. A competição tem 5km de percurso e a inscrição é aberta à população.

Em parceria com a prefeitura, Águas de Niterói reutiliza a água retirada nas Estações de Tratamento de Esgoto para molhar plantas e parques. Em Campos dos Goytacases, Águas do Paraíba reutiliza a água e o insumo, resultado do tratamento do lodo na recomposição de ruas como base e sub-base para recapeamento asfáltico

O Projeto Niterói Águas Limpas, é uma parceria da Águas de Niterói com a ONG Projeto Grael, que utiliza uma embarcação especial para remoção de lixo flutuante da superfície da Baía de Guanabara. O catamarã possui uma caçamba basculante, que realiza um peneiramento da superfície da água, retendo sólidos. Estes sólidos são levados para um contêiner com capacidade para mil litros, onde o lixo é armazenado.

O tratamento de esgotos feito por Biodigestores em Petrópolis é referência nacional. Implantados em regiões de topografia acidentada e ocupações desordenadas, eles constituem a solução única para tratamento de esgotos nesses locais.

Além da solução prática, os Biodigestores têm relevante importância do ponto de vista social e ambiental, pois antes de sua construção faz-se na comunidade um trabalho de educação ambiental; utiliza-se mão-de-obra local; o gás gerado é utilizado na própria comunidade, e não há cobrança pelo tratamento; E, para a construção dos filtros dos Biodigestores são utilizados milhares de pneus e garrafas PET, materiais altamente poluentes que são retirados da natureza e ainda ganham função despoluente. Hoje, cinco bairros têm Biodigestores: Independência, Bonfim, Vital Brasil, Nogueira e Vila Ipanema, que juntos tratam esgotos de aproximadamente seis mil habitantes.

O que são biodigestores?

Os biodigestores são equipamentos hermeticamente fechados, que servem para tratar biologicamente resíduos orgânicos, reciclando nutrientes, produzindo biogás e reduzindo em até 70% a matéria orgânica. Acoplados a biofiltros e a zonas de raízes, têm aumentada a capacidade de remoção da carga orgânica, podendo chegar a 90% de eficiência.

Os biodigestores possuem três fases de fermentação: acidogênica, acetogênica e metanogênica, sendo esta última a responsável pela produção do biogás. Mistura de metano e outros gases (em menor quantidade), o biogás pode ser usado como fonte de calor, combustível e energia.

O biossólido resultante desses processos de fermentação é de alto valor nutricional para as plantas e o líquido gerado no efluente pode ser utilizado para fertirrigação e cultivo em geral.

Um metro cúbico (1 m³) de biogás equivale energeticamente a:

1,5 m³ de gás de cozinha

0,52 a 0,6 litro de gasolina

0,9 litro de álcool

1,43 KWh de eletricidade

2,7 kg de lenha (madeira queimada)

A Concessionária Águas de Votorantim (CAV) está instalando um biodigestor no bairro dos Morros, para o tratamento do esgoto daquela região. O esgoto passará a ser coletado e encaminhado ao biodigestor, onde será devidamente tratado.

A instalação do biodigestor foi a solução mais rápida e eficiente encontrada pela Concessionária, para resolver o problema do bairro dos Morros, um local de topografia acidentada e ocupação desordenada. O Grupo Águas do Brasil, acionista da CAV, já utiliza biodigestores em Petrópolis, em regiões com as mesmas características do bairro dos Morros.

Os biodigestores tratam os resíduos orgânicos e reciclam os nutrientes, produzindo biogás. Além de despoluir toda a região, o biogás produzido poderá ser utilizado de forma gratuita por centros comunitários ou famílias da área do bairro dos Morros, onde é gerado.

O Sistema Wetland é formado por sistemas artificialmente projetados para utilizar plantas aquáticas (macrófitas) em substratos como areia, cascalhos ou outro material inerte, onde ocorre a proliferação de biofilmes que agregam populações variadas de microrganismos os quais, por meio de processos biológicos, químicos e físicos, tratam águas residuais.

Na primeira fase do tratamento, as células trabalham recebendo esgoto tratado por irrigação através de valas, fazendo-se um rodízio entre as células, tendo fixada em sua camada superficial de solo uma espécie vegetal (macrófita), que extrai nutrientes do esgoto. Todas as três células reúnem o efluente na alimentação da segunda fase. Depois de passar pelo processo atual e pela primeira fase de disposição no solo, o esgoto segue através da área inundada onde as macrófitas retiram a parcela final dos nutrientes ainda remanescentes no esgoto tratado.

Nos vários estudos já realizados na tentativa de pós-tratar efluente de estações de tratamento de esgotos, o sistema Wetland destaca-se pela sua capacidade de remover carga poluidora, manter a conservação dos ecossistemas terrestres e aquáticos, reduzir o aquecimento global da terra, fixar o carbono do meio ambiente, mantendo o equilíbrio do CO2, além de conservar a biodiversidade.

A Concessionária Águas de Juturnaíba possui duas estações de tratamento de esgoto que utilizam este sistema: a ETE Ponte dos Leites e a ETE Caju.

Em Araruama, todo efluente coletado destina-se a Estação de Tratamento de Esgoto Ponte dos Leites. O tratamento realizado nesta estação requer um processo peculiar para que seu efluente possa ser devolvido a rios e lagoas da região. Com sua ampliação, inaugurada em 2009, a ETE Ponte dos Leites foi remodelada, tendo sua capacidade de tratamento ampliada para 200 litros de esgoto por segundo. Aproveitando sua estrutura inicial, os engenheiros da Concessionária optaram por implantar o sistema de pós-tratamento conhecido como Wetland. Desta forma, a estação realiza o tratamento do esgoto coletado – a partir do sistema de tomada de tempo seco, com diluição e contribuição de águas pluviais – sem a utilização de produtos químicos.

Por utilizar a natureza, além do processo peculiar de tratamento, a destinação dos resíduos das wetland são passíveis em diferentes maneiras de destinação final. As plantas utilizadas na estação devem ser podadas e retiradas frequentemente e, com isso, a ETE Ponte dos Leites gera cerca de 60 toneladas de resíduos por mês, com as macrófitas emergentes e flutuantes. Contudo, a estação possui três particularidades: utiliza a natureza, possui o programa “Resíduo Zero” e apresenta uma área de proteção ambiental.

O Programa Coletiva é um Programa Corporativo que propõe uma ação conjunta de todos os colaboradores e é composto por diversas ações que visam diminuir os impactos sociais e ambientais causados pelo resíduos gerados nas nossas atividades. O programa dissemina na empresa a prática dos 3 Rs – Reduzir, Reutilizar e Reciclar – e inclui ações como a redução do uso de copos descartáveis e a coleta seletiva.

Em Resende, Água das Agulhas Negras através da ETE Alegria reaproveita o lodo que vai para compostagem e utiliza na agricultura de feijões na cidade vizinha, Porto Real.

Em Araçoiaba da Serra, a concessionária Águas de Araçoiaba realiza o Projeto Eco Óleo que tem como iniciativa a coleta do óleo de cozinha residencial e de entidades comerciais para que o despejo direto nos corpos d’água diminua.

Em Niterói, a concessionária Águas de Niterói lançou o Posto Cidadão. O projeto é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade com Águas de Niterói e o Sindicato dos Postos de Combustíveis.