A prática dos 3 R’s – reduzir, reutilizar e reciclar resíduos – é a melhor maneira de diminuir o impacto de tudo o que consumimos na natureza.

REDUZIR – É diminuir o consumo, dando preferência aos produtos de maior durabilidade, que gerem menos resíduos e desperdício de recursos naturais. Procure optar por embalagens retornáveis e usar ecobags no lugar de sacolas plásticas.

REUTILIZAR – É prolongar a vida útil dos produtos, evitando a extração de matérias – primas virgens. Você pode dar nova função a embalagem de requeijão, utilizando-a como copo.

RECICLAR – É descartar corretamente os resíduos, permitindo que estes sejam processados e reutilizados como matéria – prima para produção de novos bens de consumo. Por meio de reciclagem, são retiradas das garrafas PET fibras têxteis que serão utilizadas na fabricação de roupas.

A reciclagem é um processo de transformação de determinados produtos descartados em matéria prima para a fabricação de novos produtos.  Esse processo reduz a pressão sobre os recursos naturais, economiza água e energia e gera trabalho e renda para milhares de pessoas.

Separe corretamente seu lixo, lembrando que os principais resíduos não recicláveis são os orgânicos e úmidos. E atenção: pilhas, baterias e lixo eletrônico são considerados resíduos especiais e devem ser descartados separadamente.

De acordo com a Organização das Nações Unidas, cada pessoa necessita de 3,3m³/pessoa/mês (cerca de 110litros de água por dia para atender as necessidades de consumo e higiene). No entanto, no Brasil, o consumo por pessoa pode chegar a mais de 200 litros/dia.

COMO SABER O QUE É E O QUE NÃO É RECICLÁVEL?

Uma dica é lembrar que os principais resíduos não recicláveis são os orgânicos e úmidos, e que estes devem estar sempre separados dos materiais recicláveis para não danificá-los.

Em geral papéis, plásticos, vidros e metais são recicláveis, mas existem exceções.

Confira abaixo a relação de resíduos comuns em nossa rotina, com a finalidade de auxiliá-lo em caso de dúvida:

Resíduos recicláveis

Papéis: papel de escritório, jornais e revistas, caixas em geral (papelão, papel ondulado), envelopes, cartazes e folhetos, caixas longa vida ou tetrapak.

Plásticos: isopor, copos descartáveis, garrafas PET vazias, embalagens plásticas vazias, tampas, sacolas plásticas, canetas esferográficas (sem a carga), CD e DVD, tubo de pasta dental.

Vidros: embalagens e utensílios de vidros vazios (garrafas, frascos, copos), cacos de vidro.

Metais: latas de folha de flandres (como as de óleo de cozinha), latas de alumínio (como as de refrigerante), marmita de alumínio (sem restos de comida).

Resíduos não recicláveis

Lixo orgânico ou úmido: restos de comida, cascas de frutas, etc.

Rejeitos: lenços e guardanapos de papel, absorvente e papel higiênico, fraldas, papéis sujos, bitucas de cigarro, cargas de caneta, etc.

Lixos hospitalares: curativos, gazes, algodão, etc.

Papéis não recicláveis: papel celofane, papel carbono, papel metalizado (como os de saco para presente), fotografia, fita crepe, etiquetas adesivas.

Plásticos não recicláveis: acrílico, tomadas, adesivos, esponja de espuma, embalagens plásticas metalizadas (de biscoito, barra de cereais)

Vidros não recicláveis: espelhos, cerâmicas, porcelana, pirex, óculos, portas de vidro, vidros temperados.

Metais não recicláveis: clipes, grampos, esponja de aço, latas de tinta e verniz, embalagens de aerossóis.