Nossa história

2019

Em 29 janeiro de 2019, a captação de água bruta do Rio Paraopeba – construída em apenas 5 meses, em 2015, para resolver o problema de falta d’água no município -, foi interrompida devido à contaminação de rejeito resultante do rompimento da barragem do complexo minerário Córrego do Feijão, em Brumadinho.

 

Para manter a cidade abastecida, sem poder operar um importante manancial para o município, foi elaborado um plano de abastecimento emergencial, com o objetivo de identificar captações alternativas de água, além dos mananciais locais ribeirões Paciência e Paivas, e detectar, ainda, possíveis cenários de abastecimento no período de estiagem. Com essas ações, a empresa garantiu, no decorrer de todo ano, o abastecimento da cidade, sem interrupções.

 

Todas as medidas tomadas em um trabalho conjunto entre Águas de Pará de Minas, Prefeitura Municipal e o Ministério Público resultaram em um Termo de Compromisso (TC), assinado pela Vale no dia 18 de março de 2019, que prevê ações emergenciais para amenizar o impacto da interrupção da captação do Rio Paraopeba, em Pará de Minas, e a construção uma nova adutora, de 48 Km, para captar água no Rio Pará. A obra começou em outubro e a previsão é de que seja concluída e entregue em julho de 2020. A vazão a ser captada será de 284 l/s, a mesma que Pará de Minas captava no Rio Paraopeba.

 

Em parceria com a Prefeitura Municipal de Pará de Minas, o Ministério Público e a Associação AMA Pangeia – Amigos do Meio Ambiente, a concessionária concluiu a obra de desassoreamento da lagoa do bairro Eldorado, proporcionando o restabelecimento da profundidade da lagoa, além de um ambiente mais agradável para o local.

 

Águas de Pará de Minas também investiu em melhorias na coleta e tratamento de esgoto nos distritos de Pará de Minas. Foram construídas duas Estações de Tratamento de Esgoto (ETE’s) em Torneiros.

 

A concessionária foi finalista no Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento (PNQS), na categoria “As Melhores em Gestão no Saneamento Ambiental (AMGESA) ”, no Nível I.

Foi finalizada a implantação do painel de monitoramento online da qualidade da água, na Estação de Tratamento de Água (ETA) Nossa Senhora das Graças. O controle de qualidade, feito desde o início de forma rigorosa, agora conta com o total auxílio da mais alta tecnologia.  O monitoramento permite que os operadores identifiquem, imediatamente, alterações nos parâmetros da qualidade da água bruta e tratada.

 

O CCO passou a receber informações, em tempo real, de cerca de 104 pontos do sistema de abastecimento da cidade e distritos. Por meio dessa conexão, é possível verificar, por exemplo, a pressão da água, nível dos reservatórios e status das bombas. Visando ainda mais segurança operacional, a concessionária iniciou a construção do Reservatório de Água Bruta da captação do Sistema de Abastecimento do Paraopeba, localizado próximo à Penitenciária Pio Canedo.

 

Na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) União, a instalação do PTRAT foi concluída, aumentando a eficiência nos processos de remoção de sólido, areia e gordura. Além disso, a  unidade passou por uma revitalização e ficou ainda mais bonita. Na Matinha, a concessionária reformou a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do distrito, assegurando o que há de ainda mais moderno e eficiente para a unidade e para o tratamento de esgoto.

 

A concessionária também investiu em melhorias no relacionamento com o cliente. O site passou a ser responsivo e os serviços ganharam destaque na página inicial. Além disso, pensando em conforto e agilidade, a Central de Atendimento passou a oferecer a opção do autoatendimento para os clientes que desejarem.

 

Na cidade, a empresa foi reconhecida pela Associação Empresarial de Pará de Minas (ASCIPAM) com o prêmio “Sustentabilidade Empresarial”.

 

Nacionalmente, a Águas de Pará de Minas foi destaque em uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária (ABES). O estudo analisou cerca de 2.000 municípios e apenas 80 foram classificados na categoria “Rumo à Universalização”. Pará de Minas figurou, com muito orgulho, entre essas 80 cidades. Posteriormente, a concessionária conquistou o Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento (PNQS), na categoria “As Melhores em Gestão no Saneamento Ambiental (AMGESA) ”, Nível B – Cobre.  Entre as 55 empresas candidatas, a concessionária foi a única vencedora representante do estado de Minas Gerais.

A modernização do Centro de Controle Operacional (CCO) e a automação do Sistema de Abastecimento do Paraopeba foram grandes realizações em 2017. Com a progressão da automação, o CCO passou a receber informações, em tempo real, de cerca de 50 unidades em diversos pontos do sistema na cidade e distritos, entre eles boosters, sistemas produtores através de poços profundos, reservatórios e, inclusive, o Sistema Paraopeba.

 

Além disso, a concessionária construiu a rede de energia elétrica em todo o trecho por onde passa a adutora de 28 quilômetros de extensão, proporcionando ainda mais segurança e confiabilidade no abastecimento da população. Durante dois anos a concessionária não mediu esforços para operar todo o sistema Paraopeba, as três unidades de bombeamento, sendo operadas integralmente através de geradores, que consumiam volumes elevados de diesel mensalmente.

 

A ETE União recebeu o PTRAT, um equipamento que está em processo de instalação e que permite elevar ainda mais a eficiência no processo de remoção de sólido, areia e gordura na entrada da estação. As ETEs dos distritos de Caetano Preto, Córrego das Pedras, Matinha e Torneiros também passaram por completas reformas e adequações. Na ETA, foi iniciado o processo de monitoramento online da qualidade, tanto da água bruta como da água tratada. O controle de qualidade, que já era atuante e rigoroso, a partir de agora conta com modernas tecnologias que auxiliarão os químicos em todo o processo de auditoria da qualidade da água, da captação até a casa do cliente.

 

Na Central de Atendimento ao Cliente, visando qualificar ainda mais o seu atendimento, a concessionária modernizou ainda mais as instalações e transformou completamente a unidade, que atende plenamente aos critérios de acessibilidade aos portadores de necessidades especiais, inclusive com banheiro adaptado para deficientes físicos.

O segundo ano de concessão foi marcado pela conclusão e ampliação do Sistema de Abastecimento do Paraopeba, reformas e adequações na Estação de Tratamento de Água (ETA), na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e na Central de Atendimento ao Cliente. No Sistema Paraopeba, as três unidades de bombeamento foram concluídas: captação, Booster Trindade e Booster Costas.

 

A ETE, localizada no bairro União, passou a operar com sistemas modernos, que ampliaram sua eficiência, com equipamentos neutralizadores de gases que geravam mau cheiro e com gerador de energia, garantindo a continuidade do tratamento em caso de queda de energia.

 

A Central de Atendimento ao Cliente, localizada na rua Maestro Espíndola, 270, bairro Nossa Senhora das Graças, foi ampliada e climatizada. O local se tornou acessível para clientes com deficiência física, facilitando o acesso à loja.

 

A ETA também passou por reforma e modernização. Todos os processos são rigorosamente auditados, todas as fases do tratamento foram readequados e a automação da Estação avança cada dia mais para garantir a qualidade e segurança na prestação de serviços à população, cumprindo, rigorosamente, os parâmetros de qualidade exigidos pelo Ministério da Saúde.

Águas de Pará de Minas assumiu os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário do município de Pará de Minas (MG) no dia 17 de abril de 2015.

 

Imediatamente, no dia 6 de maio, a concessionária iniciou a construção do Sistema de Abastecimento do Paraopeba, para levar água do rio Paraopeba, no distrito de Córrego do Barro, até a Estação de Tratamento de Água (ETA), localizada no bairro Nossa Senhora das Graças.

 

A primeira fase da obra foi concluída em 6 de outubro, apenas cinco meses após o início da construção. Isso foi possível graças ao trabalho árduo de todas as equipes que possibilitaram qualidade e agilidade do serviço. Foram construídos 28 km de adutora com capacidade inicial para bombear cerca de 120 litros/segundo. Graças à antecipação desse investimento, a população pará-minense, que tanto sofreu com a falta d’água, passou a ter água em abundância em suas torneiras.